segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Num tribunal perto de si...(riso)

Advogado: Doutor, antes de fazer a autópsia, o senhor verificou o pulso da vítima?
Testemunha: Não.
Advogado: O senhor verificou a pressão arterial?
Testemunha: Não.
Advogado: O senhor verificou a respiração?
Testemunha: Não.
Advogado: Então, é possível que a vítima estivesse viva quando a autópsia começou?
Testemunha: Não.
Advogado: Como é que o senhor pode ter a certeza?
Testemunha: Porque o cérebro do paciente estava num jarro sobre a mesa.
Advogado: Mas ele poderia estar vivo mesmo assim?
Testemunha: Sim, é possível que ele estivesse vivo e tirando o curso de Direito em algum lugar!!!

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Encontro/convívio C.Caç.621 Timor


Os ex. Militares que queiram estar presentes, devem entrar em contacto com António Rosa (963069285), até 20 de Abril de 2018 para marcação de reserva. (Ver publicação)

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Os altos e baixos de Centeno ao ritmo do andamento da economia

 De rejeitado no departamento de estudos do Banco de Portugal até à tomada de posse esta sexta-feira como presidente do Eurogrupo, Mário Centeno percorreu um caminho improvável. Em apenas cinco anos, o economista sem experiência política passou da teoria à prática e da sombra dos gabinetes para o centro das atenções mediáticas à escala europeia, com pontos baixos e altos feitos ao sabor dos resultados económicos e financeiros conseguidos nos últimos anos por Portugal.

O primeiro passo determinante para a caminhada do ministro das Finanças português rumo à presidência do Eurogrupo – cargo que assume substituindo numa cerimónia em Paris o holandês Jeroen Dijsselbloem - até nem foi dado pelo próprio Mário Centeno, mas sim por Carlos Costa, o governador do Banco de Portugal.


Centeno era há já vários anos o número dois do departamento de estudos do Banco de Portugal e, quando em 2013 o lugar de director vagou, apresentou a sua candidatura, num passo visto como natural na sua carreira académica e de investigação económica, onde se tinha destacado principalmente na área do funcionamento do mercado de trabalho. Esse passo natural contudo não se concretizou.(Ler tudo...)

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

ENGENHEIROS... (piada)

PARA QUEM É, PARA QUEM NÃO É, E PARA QUEM CONVIVE COM ELES …

Um Engenheiro morreu e chegou às portas do Céu. (É sabido que os Engenheiros, por sua honestidade, vão sempre para o céu.). São Pedro procurou a ficha do Engenheiro nos seus arquivos, mas, como ultimamente anda um pouco desorganizado, não a encontrou na montanha de documentos. Então, disse para o Engenheiro:
-Lamento, mas o seu nome não consta de minha lista ...
Assim, o Engenheiro foi ter às portas do Inferno, onde lhe deram imediatamente moradia e alojamento. Pouco tempo passou e o Engenheiro cansou-se de sofrer as amarguras do inferno e pôs-se, a projetar e a construir melhorias. Com o passar do tempo, o Inferno, já tinha, projeto de segurança contra incêndios, projeto térmico e acústico, sistema de monitorização de cinzas, ar condicionado, escadas rolantes, aparelhos eletrónicos, redes de telecomunicações, programas de manutenção, sistemas de controle visual, tudo ISO 9000 E o Engenheiro passou a ter uma excelente reputação.
Um dia, Deus, estranhando a falta de reclamações que normalmente lhe iam chegando das bandas do Inferno, chamou o Diabo pelo telefone e perguntou desconfiado:
-Como vocês estão, aí no Inferno?
-Estamos muito bem, pá! Temos projeto de segurança contra incêndios, projeto térmico e acústico, sistema de monitorização de cinzas, ar condicionado, escadas rolantes, etc. Tudo a 100%! Se quiseres algumas dicas de implementação destes sistemas, podes mandar um e-mail para meu endereço, que é:
diabofeliz@ inferno.com
E olha que eu ainda nem sei qual será a próxima surpresa que o Engenheiro nos reserva!
-O QUÊ? O QUÊ? Vocês têm aí um Engenheiro? Isso é um erro! Nunca deveria ter chegado aí um Engenheiro! Os Engenheiros vão sempre para o Céu; é isso que está escrito e resolvido. Manda-o de volta para o Céu, imediatamente!
-Nem pensar, pá!!! Estou a adorar ter aqui um Engenheiro na organização ... E garanto-te que vou ficar eternamente com ele!
-Manda-o para Mim ou ... levanto-te um PROCESSO!!!
E o Diabo, dando uma tremenda gargalhada, respondeu a Deus
-Ah, sim ? Então, só por curiosidade, diz-me uma coisa: onde vais arranjar um Advogado, um Juiz ou um Procurador?... Estão todos aqui!!!


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Os incêndios e a chantagem sobre o Governo

Ninguém é insensível à dor e ao luto dos que perderam os entes queridos, no inferno dos fogos, e os haveres na voragem das chamas, mas há abutres que continuam atraídos pelo odor dos cadáveres e exploração dos sentimentos, sem respeito pelos defuntos.
 Curiosamente, ninguém pergunta aos autarcas o que fizeram para prevenir incêndios e o que falhou nos planos de protecção civil, que lhes cabia elaborar e executar; ignora-se a EDP, cujos fios de alta tensão atearam fogos; esquecem-se incendiários que a PJ filmou em flagrante; isentam-se os donos das matas das obrigações de limpeza. Há quem ganhe com a desgraça e capitalize danos, enquanto a direita procura incinerar o Governo nos fogos que espevita.
 Deixemos repousar os mortos e as famílias fazerem o luto, que as filmagens impedem e a oportunidade de aparecer na televisão, com o PR, dificulta.
É altura de saber por que motivo não há quem peça a um juiz que permita o acesso aos seguros dos que os tinham; se há forma de punir quem, tendo seguro, se candidatou aos subsídios concedidos; se é permitido vender as casas feitas para quem não as habita, e se deviam ser reconstruídas outras, onde os ex-moradores não querem voltar.
 O circo mediático e os partidos da direita, ansiosos por acusarem este Governo e inaptos para escrutinarem IPSS de direito canónico, caucionam oportunismos e desonestidades.
 Sob o ponto de vista material chegam ecos de que só há beneficiários e de que a pressão mediática levou a construir casas onde apenas havia ruínas, já isentas de IMI, para além de terem – e bem –, sido dotadas de instalações sanitárias as casas que não as tinham.
 Na tempestade de afectos, por entre ralis de beijos e gincanas de abraços, a repetição dos itinerários oculta e estimula o oportunismo que medra no húmus da desgraça. O decoro e o pudor deviam moderar as filmagens de missas, viagens e encontros nos locais que a tragédia mediatizou. A dor não deve alimentar vaidades e oportunismos e, muito menos, benefícios indevidos e obscenos.
 Ontem, o presidente das CEP relembrou os incêndios, para exumar os cadáveres para a mensagem de Natal. Referiu os corpos carbonizados e esqueceu 13 mortos e 52 feridos esmagados, à saída da procissão, em 15 de agosto, por um carvalho paroquial da igreja do Monte, no Funchal. Omitiu os que se finaram porque Deus foi servido de os chamar, e lembrou os que morreram por incúria do Governo da República.
 O PR, que, depois de regressar do Funchal, não consta ter rezado uma só novena pelos mortos da procissão, regressou hoje, em pio necrotropismo, a mais uma missa, a apelar aos portugueses para visitarem as zonas ardidas de Pedrogão.
 Ámen. 

(Artigo de Carlos Esperança https://www.facebook.com/carlos.esperanca.)

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Amizades...

Percorridos que estão 51 anos da chegada do N/M India a Lisboa, com militares da ex. província portuguesa de Timor (30.04.1966), ainda perdura as amizades criadas nos dois anos vividos naquela antiga província portuguesa.
Nos encontros de convívio anuais, muitos não fazem a sua comparência. Sabemos os motivos, mas nem sempre os visitamos por razões diversas.
Fiz uma deslocação ao Norte para um encontro entre ex. militares (como já aconteceu no Sul) e eis o resultado de um dia: António Rosa, José Dias (ex. Furriel do comando de sector), Lima Campos e Manuel C. da Silva (acamado). Foram militares em Baucau – Timor nos anos de 1964/1966.
Os anos “pesam” e a saúde falta. O Manuel Silva está acamado há 11 anos. A comoção dele foi forte e a nossa também. Estamos diferentes, mas ainda nos visitamos.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Todo-o-terreno.

Sabes o que é TODO-O-TERRENO a sério?
Em África é isto.
Grande condutor e grandes ajudantes !

E admirem o estado dos pneus. Isto não é para meninos !

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Há dias assim!...

Numa manhã, a professora pergunta ao aluno:
- Diz-me lá quem escreveu “Os Lusíadas”?
O aluno, a gaguejar, responde:
- Não sei, Sr.ª professora, mas eu não fui. E começa a chorar.
A professora, furiosa, diz-lhe:
- Pois então, de tarde, quero falar com o teu pai!
Em conversa com o pai, a professora faz-lhe queixa:
- Não percebo o seu filho. Perguntei-lhe quem escreveu ”Os Lusíadas” e ele respondeu-me que não sabia, que não foi ele…
Diz o pai:
- Bem, ele não costuma ser mentiroso, se diz que não foi ele, é porque não foi. Já se fosse o irmão…
Irritada com tanta ignorância, a professora resolve ir para casa e, na passagem pelo posto local da GNR, diz-lhe o comandante:
- Parece que o dia não lhe correu muito bem…
Confessa a professora:
- Pois não, imagine que perguntei a um aluno quem escreveu “Os Lusíadas” e respondeu-me que não sabia, que não foi ele, e começou a chorar.
O comandante do posto:
- Não se preocupe. Chamamos cá o miúdo, damos-lhe um “aperto”, e vai ver que ele confessa tudo.
Já com os cabelos em pé, a professora chega a casa e encontra o marido sentado no sofá, a ler o jornal. Pergunta-lhe este:
- Então o dia correu bem?
Desabafa a mulher:
- Ora, deixa-me cá ver. Hoje perguntei a um aluno quem escreveu “Os Lusíadas” começou a gaguejar, que não sabia, que não tinha sido ele, e pôs-se a chorar. O pai diz-me que ele não costuma ser mentiroso. O comandante da GNR quer chamá-lo e obrigá-lo a confessar. Que hei-de fazer a isto?
O marido, confortando-a:
- Olha, esquece. Janta, dorme e amanhã tudo se resolve. Vais ver que se calhar foste tu e já não te lembras…